5.5.06

Turbilhão

Nos últimos dias têm vindo a ser relatadas sucessivas notícias que, a serem verdadeiras, demonstram a existência de total desnorte no nosso clube. Destaco algumas:

Vinha ontem no Record que o Vitória tinha decidido não exercer o direito de opção sobre Benachour. Se isto é assim, juro que não compreendo. Das duas uma: ou no sábado acontece o milagre e o Vitória tem todas as condições e interesse em manter o jogador; ou então não acontece e então o Vitória certamente que terá mercado para o vender por mais do que o valor da dita cláusula. Agora, pura e simplesmente deixá-lo ir sem mais... não se compreende.

Foi há dias noticiado que o Vitória deixou sair sem qualquer contrapartida dois dos jogadores que tinha emprestados ao Torcatense: Cascavel e Vitinha.
Nunca os vi jogar, por isso não estou em condições de dizer se são boas esperanças ou não. Sei sim que amigos meus que os viram na excelente equipa de juniores que tínhamos o ano passado me diziam que tínhamos ali boas soluções para o futuro. Acresce que, segundo li algures, um deles (não me lembro qual) tinha sido convocado recentemente para os trabalhos da selecção de sub-20. A finalizar, noticia-se que os dois já terão clubes que andam atrás deles: Beira-Mar e ... Braga!
Enfim, não estou por dentro, não sei que relatórios foram elaborados por quem os observou (presumo que tenham sido observados...), mas espero bem que daqui por uns tempos não os esteja a ver a jogar como hoje vejo o Duda ou o Makukula.

Saiu também ontem que Vítor Pontes não ficará no Vitória para o ano. A este respeito estou à vontade: nunca fui dos entusiastas com a sua vinda e acho sinceramente que ele "meteu a pata na poça" em vários jogos nossos. Dito isto, se a sua saída se confirmar, temos que, em dois anos, o Vitória vai ter 4 treinadores! Não é preciso dizer que isto é mau a todos os títulos (do desportivo ao financeiro) e uma réplica do que se passou no tempo da outra senhora.

Por último, as notícias de adeptos a perseguirem jogadores, a esmurrarem-lhes os carros, jogadores que não dormem em casa, jogadores com guarda-costas (!).
Meus amigos, é bem certo que estamos todos tristes, que a revolta é muita, mas por amor de Deus, certas atitudes só servem para dar razão a quem nos chama de arruaceiros e coisas do género... Enfim, uma vergonha!

publicada por Gregório Freixo @ 09:46  

9 Comentários:

  • Às 05 maio, 2006 11:34 , Blogger CASCAVEL disse...

    Meu caro CAPITÃO.
    Assino por baixo.
    Eu bem me parecia que aqui no blog, desde o inicio e ao contrário do que alguns pensavam, falámos sempre a SÉRIO!
    Saudações Vitorianas.

     
  • Às 05 maio, 2006 14:39 , Blogger Antonio Coimbra disse...

    Uma das coisas a que acho piada em quase todos os participantes dete blog é a incapacidade em assumirem que o Vitoria vai descer por culpa exclusiva de Vitor Magalhaes.Tambem dos jogadores e tecnicos é certo,mas a essencialmente do pior presidente de sempre.
    E quando falam do passado,do pimenta machado,é so por má consciencia.
    Não conseguem assumir que se enganaram.que saudades do tempo de pimenta em que NUNCA descemos de divisao.alias desde 1957 nunca tal aconteceu,foi preciso vir este desgraçado fazer-nos passar tal vergonha

     
  • Às 05 maio, 2006 15:24 , Blogger Gregório Freixo disse...

    Uma das coisas a que acho piada nos comentários do António Coimbra é que os mesmos não têm rigorosamente nada a ver com os posts a que dizem respeito.

     
  • Às 05 maio, 2006 18:18 , Blogger Vitor Paneira disse...

    Em jeito de resposta ao Ademir, do qual acusei o “toque” com agrado, digo-lhe que vou passar a jogar mais para o colectivo. Vou-me agarrar menos à bola e massacrar menos as defesas com rodriguinhos. E ao Cascavel, volto a dizer que nunca acusei o blog de falta de seriedade. Só mesmo o post de então. Se tal não consegui explicar nos sucessivos comentários, desisto. Até porque nem uma linha recta sei fazer… quanto mais.

    Posto isto, passando a comentar o post do Gregório Freixo, sou levado a concordar que, de facto, parece a Direcção do Vitória entrou numa espiral do disparate, debitando um caudal tal de asneiras, com uma rotação tal, que se de um jornal se tratasse seria um diário.

    Do Benachour, que padece do mesmo problema que quase todos os mágicos nºs 10 que por cá passaram, o síndroma do eclipse parcial (parte da época, entenda-se), a confirmar-se a notícia de o Vitória não ter exercido o direito de opção, creio estarmos perante um acto de gestão danosa. E se os números (250000€) correspondem à realidade, agravada. Já dou de barato que ele possa nem ser titular em jogo nenhum do Mundial. Mas é um internacional. Com uns pezinhos de luxo. E mesmo numa perspectiva puramente economicista, é de ficar com ele para o “passar a trocos”. Seria muito provavelmene um bom investimento e com um retorno relativamente rápido. E nem é preciso ser gestor de muitas empresas para fazer essas contas de merceeiro. Espero secretamente que o Presidente nos prove a todos que anda a dormir um bocado menos do que aquilo que nós vemos. Espero que seja mais uma notícia daquelas “encomendadas” para nos tentar debilitar numa altura delicada.

    Uma notícia como aquela que dá conta da suposta intenção de Pimenta Machado estar a preparar o “regresso”. Aquela notícia ridiculamente descabida. Como se tal fosse possível, ou alguém intelectualmente honesto ache de verdade que alguma vez no futuro tal hipótese poderia ser alvitrada. Mas que notícia. Que até parece assentar como uma luva na necessidade de procurar bodes “respiratórios” para algumas asneiras que andam a ser feitas. Uma atrás de outra. Que parecem à medida de quem anda a ver fantasmas. Dia após dia. Em todo o lado. Uma notícia ao jeito daquela entrevista do Querido Líder ao jornal “O JOGO”. Em que fala n’ ELES. "Há três anos estavam metidos numa situação destas e agora surgem como salvadores da pátria.” Estavam quem? ELES? Os maus? Quem são eles? Este é um SOS genuíno. Ajudem-me a decifrar “moreirês”. Não percebo. De verdade. Não fomos nós? Não estivemos NÓS, quase a descer? O Presidente na altura não se considerava um dos nossos? Alheia-se do facto porquê? Dissocia-se da nação vitoriana de então? O vitorianismo começou aquando da romaria? Qual Cristão-novo, paladino do novo vitorianismo… Começa-me a irritar a permanente desculpa. Eles. O presidente de todos os vitorianos – sim, porque mesmo quem nele não votou tem de estar a levar com ele – é o primeiro a criar as divisões. E dá-lhe. Ele é jantares, reuniões, conspirações. ELES são terríveis. Não param. Eles fazem cada asneira…

    Se em relação ao Bena o caso é grave, já em relação ao Vitinha e ao Cascavel (filho) creio ser gravíssimo. Gravíssimo porque uma das bandeiras eleitorais foi a aposta na formação. E estes dois são, claramente, do que a formação do Vitória tem de melhor para oferecer. Para além destes dois e de mais dois que estiveram também cedidos ao Torcatense – Barata e Pedro Borges – não me parece que haja mais activos nos escalões de formação do Vitória.

    Mas atentemos às posições que ambos ocupam em campo e às especificidades do caso em análise.

    Vitinha: lateral esquerdo, que chegou a internacional SUB20 a jogar num clube amador, que treinava à noite e jogava num relvado sintético, numa divisão difícil para um “puto” se impor. Um jogador que joga na mesma posição do Rogério Matias (em fim de contrato – Deus é grande!!!) e de Paíto, que ao que consta até já procura casa em Marrocos… quem virá emprestado para suprir estas lacunas (2 laterais esquerdos)?

    Cascavel: Ponta de lança. Posição em que os jogadores, como se sabe em Moreira, abundam. Ao que dizem, com uma margem de progressão enorme. Pelo que li num fórum vitoriano, com qualidades humanas muito acima da média (que para um atleta em idade tenra é muito mais importante do que à partida se poderá pensar… putos com jeito para a bola é o que não falta, com cabecinha, é que já a porca torce o rabo). Também aqui convém ressalvar o facto de ter jogado nesta última época numa divisão onde – dizem – os centrais (manhosos, velhos, duros e maus) não perdoam. Mesmo assim parece que o moço nem se saiu mal. Marcou uns golinhos. E que até promete bastante mais.

    Mas aquilo que, para mim, é a cereja no topo do bolo é o argumento usado para os dispensar, fazendo fé naquilo que tem vindo na imprensa: são caros! Dois ex-juniores são caros. Pois… é o buraco. Um buraco no lugar do cérebro. E quem assinou no ano passado o contrato que vigorou até hoje e que tinha uma clausula de renovação com valores preestabelecidos? Foram ELES? E quem aquilatou da evolução dos supracitados atletas? Foram mesmo acompanhados e devidamente observados? E se de facto o Vitinha for para o Braga e – como parece que virá mesmo a acontecer – der craque? Quem assumirá a paternidade desta delapidação de património? Morrerá a culpa solteira? Serão mesmo caros? Quanto ganharão? Duas, talvez três centenas de contos? Não valerá a pena, mantê-los, nem que seja a rodar mais um aninho? De grandes promessas no ano passado passam a imprestáveis? Volto a perguntar: Houve mesmo uma cabal observação destes atletas?

    Digo eu, que sou barbeiro, que ainda assim os jogadores não serão “livres”. Haverá sempre lugar a uma indemnização pela formação. Alguém me pode elucidar sobre a veracidade desta nuance à luz dos regulamentos.
    Um passarinho contou-me que os contornos desta decisão – da não continuidade dos atletas ao serviço do clube – não são tão lineares quanto isso. Como não tenho certezas e não gosto de levantar falsos testemunhos, fica a promessa que, se de algo mais concreto sobre este assunto entretanto aos meus ouvidos vier parar, partilho-o.

    Nem tudo são más notícias… Vítor Pontes sai. É fraquíssimo. E tem a mania. Não devia nunca sequer ter entrado. Ponto!

    O ponto sensível: a violência. Por norma sou contra. Mas às vezes dou por mim a pensar que se estes abanões (desde que não pondo em causa a integridade física de ninguém) tivessem acontecido mais cedo, se calhar não estávamos como estamos…

    É o reverso da medalha. Somos únicos. Para o bem e para o mal!

    Por isso ainda acreditamos e por isso ainda vamos encher o D. Afonso Henriques no Domingo. Porque somos únicos

     
  • Às 05 maio, 2006 18:18 , Blogger Vitor Paneira disse...

    Em jeito de resposta ao Ademir, do qual acusei o “toque” com agrado, digo-lhe que vou passar a jogar mais para o colectivo. Vou-me agarrar menos à bola e massacrar menos as defesas com rodriguinhos. E ao Cascavel, volto a dizer que nunca acusei o blog de falta de seriedade. Só mesmo o post de então. Se tal não consegui explicar nos sucessivos comentários, desisto. Até porque nem uma linha recta sei fazer… quanto mais.

    Posto isto, passando a comentar o post do Gregório Freixo, sou levado a concordar que, de facto, parece a Direcção do Vitória entrou numa espiral do disparate, debitando um caudal tal de asneiras, com uma rotação tal, que se de um jornal se tratasse seria um diário.

    Do Benachour, que padece do mesmo problema que quase todos os mágicos nºs 10 que por cá passaram, o síndroma do eclipse parcial (parte da época, entenda-se), a confirmar-se a notícia de o Vitória não ter exercido o direito de opção, creio estarmos perante um acto de gestão danosa. E se os números (250000€) correspondem à realidade, agravada. Já dou de barato que ele possa nem ser titular em jogo nenhum do Mundial. Mas é um internacional. Com uns pezinhos de luxo. E mesmo numa perspectiva puramente economicista, é de ficar com ele para o “passar a trocos”. Seria muito provavelmene um bom investimento e com um retorno relativamente rápido. E nem é preciso ser gestor de muitas empresas para fazer essas contas de merceeiro. Espero secretamente que o Presidente nos prove a todos que anda a dormir um bocado menos do que aquilo que nós vemos. Espero que seja mais uma notícia daquelas “encomendadas” para nos tentar debilitar numa altura delicada.

    Uma notícia como aquela que dá conta da suposta intenção de Pimenta Machado estar a preparar o “regresso”. Aquela notícia ridiculamente descabida. Como se tal fosse possível, ou alguém intelectualmente honesto ache de verdade que alguma vez no futuro tal hipótese poderia ser alvitrada. Mas que notícia. Que até parece assentar como uma luva na necessidade de procurar bodes “respiratórios” para algumas asneiras que andam a ser feitas. Uma atrás de outra. Que parecem à medida de quem anda a ver fantasmas. Dia após dia. Em todo o lado. Uma notícia ao jeito daquela entrevista do Querido Líder ao jornal “O JOGO”. Em que fala n’ ELES. "Há três anos estavam metidos numa situação destas e agora surgem como salvadores da pátria.” Estavam quem? ELES? Os maus? Quem são eles? Este é um SOS genuíno. Ajudem-me a decifrar “moreirês”. Não percebo. De verdade. Não fomos nós? Não estivemos NÓS, quase a descer? O Presidente na altura não se considerava um dos nossos? Alheia-se do facto porquê? Dissocia-se da nação vitoriana de então? O vitorianismo começou aquando da romaria? Qual Cristão-novo, paladino do novo vitorianismo… Começa-me a irritar a permanente desculpa. Eles. O presidente de todos os vitorianos – sim, porque mesmo quem nele não votou tem de estar a levar com ele – é o primeiro a criar as divisões. E dá-lhe. Ele é jantares, reuniões, conspirações. ELES são terríveis. Não param. Eles fazem cada asneira…

    Se em relação ao Bena o caso é grave, já em relação ao Vitinha e ao Cascavel (filho) creio ser gravíssimo. Gravíssimo porque uma das bandeiras eleitorais foi a aposta na formação. E estes dois são, claramente, do que a formação do Vitória tem de melhor para oferecer. Para além destes dois e de mais dois que estiveram também cedidos ao Torcatense – Barata e Pedro Borges – não me parece que haja mais activos nos escalões de formação do Vitória.

    Mas atentemos às posições que ambos ocupam em campo e às especificidades do caso em análise.

    Vitinha: lateral esquerdo, que chegou a internacional SUB20 a jogar num clube amador, que treinava à noite e jogava num relvado sintético, numa divisão difícil para um “puto” se impor. Um jogador que joga na mesma posição do Rogério Matias (em fim de contrato – Deus é grande!!!) e de Paíto, que ao que consta até já procura casa em Marrocos… quem virá emprestado para suprir estas lacunas (2 laterais esquerdos)?

    Cascavel: Ponta de lança. Posição em que os jogadores, como se sabe em Moreira, abundam. Ao que dizem, com uma margem de progressão enorme. Pelo que li num fórum vitoriano, com qualidades humanas muito acima da média (que para um atleta em idade tenra é muito mais importante do que à partida se poderá pensar… putos com jeito para a bola é o que não falta, com cabecinha, é que já a porca torce o rabo). Também aqui convém ressalvar o facto de ter jogado nesta última época numa divisão onde – dizem – os centrais (manhosos, velhos, duros e maus) não perdoam. Mesmo assim parece que o moço nem se saiu mal. Marcou uns golinhos. E que até promete bastante mais.

    Mas aquilo que, para mim, é a cereja no topo do bolo é o argumento usado para os dispensar, fazendo fé naquilo que tem vindo na imprensa: são caros! Dois ex-juniores são caros. Pois… é o buraco. Um buraco no lugar do cérebro. E quem assinou no ano passado o contrato que vigorou até hoje e que tinha uma clausula de renovação com valores preestabelecidos? Foram ELES? E quem aquilatou da evolução dos supracitados atletas? Foram mesmo acompanhados e devidamente observados? E se de facto o Vitinha for para o Braga e – como parece que virá mesmo a acontecer – der craque? Quem assumirá a paternidade desta delapidação de património? Morrerá a culpa solteira? Serão mesmo caros? Quanto ganharão? Duas, talvez três centenas de contos? Não valerá a pena, mantê-los, nem que seja a rodar mais um aninho? De grandes promessas no ano passado passam a imprestáveis? Volto a perguntar: Houve mesmo uma cabal observação destes atletas?

    Digo eu, que sou barbeiro, que ainda assim os jogadores não serão “livres”. Haverá sempre lugar a uma indemnização pela formação. Alguém me pode elucidar sobre a veracidade desta nuance à luz dos regulamentos.
    Um passarinho contou-me que os contornos desta decisão – da não continuidade dos atletas ao serviço do clube – não são tão lineares quanto isso. Como não tenho certezas e não gosto de levantar falsos testemunhos, fica a promessa que, se de algo mais concreto sobre este assunto entretanto aos meus ouvidos vier parar, partilho-o.

    Nem tudo são más notícias… Vítor Pontes sai. É fraquíssimo. E tem a mania. Não devia nunca sequer ter entrado. Ponto!

    O ponto sensível: a violência. Por norma sou contra. Mas às vezes dou por mim a pensar que se estes abanões (desde que não pondo em causa a integridade física de ninguém) tivessem acontecido mais cedo, se calhar não estávamos como estamos…

    É o reverso da medalha. Somos únicos. Para o bem e para o mal!

    Por isso ainda acreditamos e por isso ainda vamos encher o D. Afonso Henriques no Domingo. Porque somos únicos

     
  • Às 05 maio, 2006 18:45 , Blogger Gregório Freixo disse...

    Duas notas ao comentário do "médio-ala" direito.
    1. Espero sinceramente que tenhas razão e que a notícia do regresso de Pimenta seja uma "inventona".
    Eu acredito que sim, embora, segundo consta, o autor da notícia é "homem de mão" da figura noticiada. Algém com "inside information", portanto. Enfim... é aguardar para ver.

    2. "O ponto sensível: a violência. Por norma sou contra."
    Aqui não concordo. Eu sou sempre contra.
    E se tolerar e praticar a violência deriva do facto de sermos únicos, então nesse aspecto preferia não o ser.

     
  • Às 05 maio, 2006 19:42 , Blogger Jesus disse...

    Serão só os "post" do António Coimbra que terão barbas?

    Creio que uma eventual má gestão desta direcção, não serve para branquear os horríveis últimos anos de Pimenta Machado.

    Que esteve no melhor e no pior do Vitória!!!

    Para mim a assembleia geral dos capangas espelha o ocaso do pimentismo. Mas a um nível que arrastou o Vitória por um lodaçal nunca visto e que, aconteça o que acontecer, espero nunca mais ver!!!

    Por isso mesmo, para elogiar, hoje, o trabalho de Pimenta Machado é preciso ser mais pimentista que o próprio.

    E, nessa circunstância conheço poucas pessoas. Precisamente alguns desgraçados que vivem dos cargos que ocupam por nomeação e nada produzem para o País.

    Não me parece que Vítor Magalhães esteja nessa condição.

     
  • Às 05 maio, 2006 20:40 , Blogger Vitor Paneira disse...

    Caro Gregório,
    Não creio que de facto o sermos únicos tenha de vir acompanhado da violência. Aliás faço questão de ressalvar que dou por mim a pensar que os abanões poderiam ter sido úteis, desde que salvaguardada a integridade física de todos.
    O "por norma" só lá está porque, caso se desse o caso de ter de defender a minha família ou a minha pátria... acho que abria essa excepção...

     
  • Às 08 maio, 2006 14:24 , Blogger Ademir disse...

    O Presidente, Direcção, Técnicos e Jogadores conseguiram o impossível, levar o VITÓRIA para a segunda divisão.
    O que mais me custa é que estes bandalhos irão (como já foram) sair de Guimarães, com todos os salários em dia e sem um pingo de vergonha na cara. Sairam completamente satisfeitos do feito que fizeram.
    Também não posso deixar de enaltecer as declarações do senil do Presidente que vai reestruturar o clube.
    O que ele andou a fazer estes dois anos?
    Não andará ele a tentar acabar com o clube?
    Gostará ele do VITÓRIA?
    Não será ele um infiltrado?
    Tenho pena que os jogadores não tivessem sido ontem humilhados, visto que, eles já não estão cá, e irão receber na mesma os seus ordenados principescos. Uma vergonha, enquanto esses reles estão de férias, andamos nós preocupados com o futuro do clube.
    VITÓRIA ATÉ MORRER
    Rua com aqueles que não sentem e não gostam do VITÓRIA ou não tem perfil e capacidade para o representar

     

Enviar um comentário

Efectuar comentários é absolutamente livre, neste blogue. Não serão, no entanto, admitidos insultos aos seus membros ou ao Vitória Sport Clube.

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

 

Locations of visitors to this page