28.9.10

Acta da "Iscursom a Coinvra"

A acta abaixo destina-se a ser completada por todos os presentes através de "declarações de voto".

Aos 25 do mês de Setembro de 2010, reuniu, na sua sede ambulante (Viagens Topo do Universo) o colectivo do blogue D. Afonso Henriques, com abundante quórum. Estiveram presentes, Jeremias, Cascavel, Edmur, Pedro Mendes, Bedro Barbosa, Basaúla, Gregório Freixo, o nóvel Mendes (Pé Canhão), Vitor Paneira, Capucho, Dane, Ibraim, N´Dinga e este vosso Ademir Bernardes Alcantara que passa a secretariar o evento. Acho que falta alguém, mas é para ver se estais atentos...


Conforme a convocatória, Jeremias, o primeiro a chegar, ou não fosse o nosso decano, e logo de seguida este que ora vos escreve, arribaram ao local designado (estádio D. Afonso Henriques junto ao Inatel) para verificarem que o Inatel não fica onde pensavamos que ficava já que a transviatura estava parada noutra lateral do mesmo estádio ( fica ao cuidado do Pedro Mendes “Tareco” e do Edmur “Laureta” o reparo, para futuros agendamentos.


Entretanto foram chegando os demais “excursionistas” cuja ordem aqui se pede excusa de referir, ressalvando apenas o lamentável, e reafirmo, lamentável atraso do Vitor Paneira, que podia perfeitamente ter feito com que nos servissem leitão frio. La chegaremos.


Entretanto, como já tem vindo s ser relatado, foi identificado um membro dos Orgão Socias do Clube a “candongar” a ceú aberto, sem um pingo de vergonha, trocando ingressos por dinheiro vivo, numa das esquinas do Estádio. É de lamentar também. Se bem que, neste caso, foi o desgraçado que comprou os bilhetes para a excursão, o que o desculpa... em parte. De todas as formas devia ter feito a transmissão dos bilhetes de forma mais discreta.


Ressalvo que esta acta pode não refletir a inteira verdade dos factos, mas para isso temos sempre o Sr. Vitor Pereira, que pode convocar uma conferência de Imprensa para me confirmar ou desmentir. Daqui a quatro jornadas veremos. Ou em alternativa esse grande paladino da “verdade desportiva” o Sr. Rui “caí à bilha d´azeite” Santos.


Devidamente empacotados num auto bus, rumamos, com atraso à freguesia de Fogueira (Sangalhos) onde nos esperavam vários exemplares de bísaros chacinados (Ouviste N´Dinga), mortos, chamuscados, assados e cortados aos pedaços, para nos matar a já mais que muita fome (ou apetite, para os mais delicados).

O Ibraim e o N´Dinga integraram a comitiva apenas na Rotunda da Boavista, o Ibraim por motivos de residencia habitual, o n´Dinga decerto por desnorte.

Da viagem falará cada um dos intervenientes em “declaração de voto” pois a minha vida não é escrever actas. Isto dividido anda melhor, ainda que eu ache que a minha cabeça sózinha pensa melhor que as nossas todas juntas. Modéstia bem sei.


Ao repasto juntaram-se à comitiva, várias figuras marcantes do Vitória, um ex-Chefe de Departamento de Futebol, um comentador do programa “Hora D” na internet, um irmão de um ex-presidente, o filho dos anteriormente citados, um produtor de queijos e vinhos e um perigoso inimigo dos leitões que inclusivamente pos em risco a integridade fisica do Paneira pelo atraso em ser servido (eu sei do que falo...).


Do almoço falará também cada um, sendo que a mim só me compete dizer que os leitões foram servidos já mortos e pelo atraso deviam ser coxos, já que demoraram mais de uma hora a chegar à mesa.


Depois de devidamente aconchegadas as carnes, as nossas e as dos porcos falecidos, bem regadas a espumoso (meia piscina olimpica, pelas minhas contas) prosseguimos com destino à cidade do Mondego prenhes de esperança.


Depois de com a ajuda de vários dos nossos ex-estudantes de Coimbra nos conseguirmos perder no caminho (o que me levaria a tecer considerações pouco abonatórias aos respectivos anos de estudo, ou pelo menos ao seu sentido de orientação dentro dessa bonita localidade que também dá pelo nome de Lusa Antenas).


Finalmente chegamos ao Estádio. Entramos e sentamos-nos. Aplaudimos (unica e exclusivamente) e apupamos o arbitro (com grande elevação).


Assistimos à miséria que irá ser descrita em apensos a esta acta.


Ficamos até ao final do tristemente célebre espectaculo de “molha-a-sopa” habitual com que claques e forças policiais habitualmente nos brindam. O que se comentará em separado também. Espero.


Calamo-nos e viemos embora.


Da viagem de regresso, nada consta. Muito silêncio, algumas promessas de “abraços fortes e apertados” ao Manuel Machado, um filme esquisito, passamos e sobrevivemos em duas ou três zonas completamente poluídas, diria mesmo mais: “irrespiráveis”, e parámos numa estação de serviço onde “assustamos” duas funcionárias (uma gorda e outra menos gorda) que ao ver o paneira fardado ficaram “inquietas” to say the least.


Voltamos a passar na Rotunda da Boavista para desembarcar o Ibraim (o N´Dinga já estava bem, e já se lembrava onde vivia) e rumamos a Guimarães expoliados de três pontos, desta vez, por culpa própria, penso eu.


Despedimos-nos em lágrimas e com a alma em carne viva e fomos ter com as respectivas consortes (com sorte as que não levaram na tabuleta para descontar o desgosto).


E aqui estamos a fazer pela vida, à espera da próxima, da qual este vosso amigo, não escreverá uma linha.


Adenda – o polaco Saganowski, apesar de ter lugar e ter sido por várias vezes confrontado com esse facto, não compareceu. O que determina, na opinião de alguns, que não irá nunca mais. Apesar se termos conseguido contactar com a “moça” com a qual teria sido feliz em tempos pelas bordas do Mondego, que também não se mostrou muito interessada em revê-lo.


Por ser absoluta e integralmente verdade (cfr. Parágrafo 5 desta acta), vai esta acta ser publicada, para após ser analisada, comentada, vilipendiada, contestada e sobretudo glorificada pelo elevado grau de literacia do seu autor, APROVADA POR UNANIMIDADE E ACLAMAÇÃO.


Guimarães, 2010-09-28


CALE-SE!!!!!!!



publicada por ADEMIR ALCANTARA @ 12:42  

12 Comentários:

  • Às 28 setembro, 2010 13:12 , Blogger Ernesto Paraíso disse...

    A dimensão intelectual deste documento atesta, sem qualquer espécie de dúvida, o brilhantismo, a sagacidade, e principalmente a clarividência dos membros desta confraria.

    Para mim, só faltará aqui o próprio Manuel Machado (essa velha glória), cujo discurso não ficaria a perder com a verborreia patente na acta.

    Quanto ao Saganowski, todos fomos testemunhas nos posts deste blog que tentou desesperadamente ir até à última hora, pelo que deviam ter pudor de, ainda por cima, lhe mostrar o lugar vazio. Só faltava (digo eu), mandarem-lhe a conta para pagar.

    Melhores cumprimentos

     
  • Às 28 setembro, 2010 13:53 , Blogger Vitor Paneira disse...

    Caro Ademir,

    Depois de um testemunho desta qualidade, até tenho medo de me "astrever" a escrever o que quer que seja...

    Refiro apenas alguns pontos que penso eu de que, pela importância de que se revestem, merecem constar nos anais da já longa história deste blog:

    1- O meu atraso deveu-se, acho eu, a qualquer um dos seguintes factos, ou então a todos em simultâneo:
    a) isto de marcarem saídas de madrugada, ao fim-de-semana é complicado.
    b) antes de sair de casa perguntei ao Tareco se estava atrasado, ao que ele retorquiu dizendo que ainda estava em casa. Saímos ao mesmo tempo. A única diferença é que eu moro na aldeia e já se sabe que num Sábado de manhã, para entrar na cidade vindo dos lados de S. Torcato o trânsito é infernal. O para-arranca na zona de S. Lourenço de Selho, a fila compacta da volta do Pedroso até à Universidade do Minho, a operação stop que não ocorreu mas podia muito bem ter ocorrido, aquele percurso interminável desde o ponto de encontro anunciado (Inatel) até ao local onde estava parado o Afonsão (em frente à clínica) e por último as voltas que tive de dar até encontrar um lugar de estacionamento na zona envolvente do estádio... Meu Deus! O horror! A tragédia!
    1.1- E diga-se, em abono da verdade, que eu já sabia de fonte segura que o leitão ia demorar a chegar à mesa. Se não me tivesse atrasado, ainda o comíamoms mesmo gelado.

    2- O momento em que, após aturada degustação do assassinado porquinho, antecedido por olés e música alusiva à festa brava, cantámos a plenos pulmões o dino da cidade, com direito a introito e instrumental, imitando o "clarineste" do Magalhães dos Trovadores do cano.

    3- Finalmente descobrimos o porquê de o N'Dinga não saber orientar-se nas ruas de Coimbra. Afinal tirou o curso na Universidade de Sangalhos.

    4- O Tareco afinal não arranjou as músicas que houvera prometido. Não fosse o aparelho que o Jeremias tem - e que também dá para fazer chamadas - nem o Dino do Hino se ouviria.

    5- A dificuldade que os companheiros de blog que cursaram na Lusa Atenas têm em dirigir-se à Cruz de Celas deve-se tão somente ao facto de termos chegado a Coimbra ainda o Sol não se havia posto.

    6- Aquele estádio, para ver futebol é, como diria o Nilton, UMA BELA MERDA. Ao menos que se veja bem lá os U2, já que para ver a bola, também não. Chegamos a desejar estar na Mata Real ou no mítico e demolido Vidal Pinheiro.

    7- O filme esteve ao nível do jogo.

    8- O esgar de medo e dor antecipada nos rostos da gorda e da menos gorda na área de serviço puseram-me a pensar se aquela profissão não devia estar englobada nas de alto risco.

    9- Temi pela vida. Não pela carga policial, já que a polícia teve a decência de não nos importunar e com isso poderia eu bem. Mas enquanto o leitão não chegava, à minha direita o perigo espreitava. E quando o porco chegou e oiço um lamento, algo parecido com "esta merda está fria", mesmo estando também eu com o estômago colado às costas, levantei-me e como quem não quer a coisa, fiz de conta que fui fumar um cigarro...

    10- Tive pena de não termos levado a nossa pequena provocação avante. A ideia de atirarmos o N'Dinga ao ar enquanto alternavamos os gritos do seu nome com os de "carimbo", parecia-me muito bem. Ou então era do vinho.

    11- O ar condicionado do "Afonsão" para a próxima tem de se manter a uma temperatura mais amena. Assim não pode ser. Após o almoço estava tão fresco que quase me constipava.

    12- Caro Paraíso, em relação ao polaco, a conta já seguiu por carta registada com AR. Só essa faltava ele não ir e ainda não pagar...

    Ademir: Parabéns pela brilhante acta!

    E já agora... CALE-SE! CALE-SE! CALE-SE!

     
  • Às 28 setembro, 2010 17:49 , Blogger Ibraim disse...

    Apenas dois ou três apontamentos.

    Em primeiro lugar, e em relação ao N'Dinga, eu posso de facto confirmar que ao fim daquela manhã, o seu estado de desorientação era tão grande que a própria consorte fez questão de mo ir entregar pessoalmente. Julgo que apenas tenha conseguido recuperar a sua paz de espírito e o seu sossego de alma, quando lhe assegurei que estando o zairense comigo, estaria com Deus.
    Enfim, não há nada como ter este meu ar inspirador da mais absoluta e plena confiança.

    Em segundo lugar, gostaria de sublinhar aquele que para mim foi o momento mais alto de toda a nossa digressão: o momento em que foi entoado o hino de Guimarães.
    A coisa saiu tão afinada e tão bem, que os restantes clientes do restaurante, siderados com aquele canto quasi-celestial, irromperam numa tão grande salva de palmas que até a mim me fez ruborescer a face, a mim que até nem sou nada dado a estas coisas.
    Foi um momento de rara beleza e emoção...

    Finalmente, resta-me apenas felicitar o Ademir pela qualidade que conseguiu emprestar a este seu escrito. Nada que nos surpreenda, mas que nunca é demais sublinhar.

    Quanto à Acta em si, está... aprovadíssima... desde que a ela sejam apensadas todas as considerações que o Vítor Paneira antes de mim teceu...

     
  • Às 28 setembro, 2010 19:12 , Blogger CASCAVEL disse...

    Nada a acrescentar.
    Aprovadissima e por EXCLAMAÇÃO!
    P.S. Para a próxima vais tu comprar os bilhetes.

     
  • Às 28 setembro, 2010 22:59 , Blogger Capucho disse...

    Eu tb aprovo! Já agora não há foto de grupo? Quem a tivesse devia postá-la aqui!

     
  • Às 29 setembro, 2010 12:27 , Blogger Jeremias disse...

    Acta absolutamente aprovada.
    Com merecido louvor ao ADEMIR.
    Notas avulsas:
    1)Em próxima excursão,já programda para Dezembro na visita ao Beira Mar, convirá decorarmos o "Afonsão" com mais requinte.
    2)As sugestões quanto ao merchandising de Inverno devem sem implementadas o mais depressa possivel. Caso contrário chegaremos a Dezembro como chegamos a ...Coimbra.
    3)O almoço teve tanto em termos de qualidade como em tempo de espera.Foi imenso. Creio que neste ultimo item o EDMUR correu muito mais perigo do que o suposto.
    4)Reitero que o momento em que se cantou o Hino de Guimarães foi memorável.
    Afinal,ao contrário do que alguns dizem,não somos bons só a dizer mal.
    Também cantamos bem!
    Á atenção dos programadores da CEC2012.
    5)Acho que a foto de grupo deve ser enviada pelo CAPITÃO (agora também temos um major mas costuma aparecer á civil...)para o mail de cada um. Publicá-la aqui desfaz o segredo mais mal guardado da blogosfera vitoriana.
    6)Um voto de louvor ao motorista do "Afonsão". Levar e trazer aquela horda de esfomeados (á ida de leitão á vinda de triunfos) não deve ter sido nada fácil.
    7)Foi um dia magnifico aquele em que se consumou o velhissimo projecto de o blog se deslocar a Coimbra com paragem nos jovens suinos.
    8) Pena mesmo foi ter-se realizado o jogo!
    9) Porque no despique entre estudantes e vitorianos os cabulões fomos nós.
    10)Venha a próxima deambulação futebolistico-gastronómica. Ou será o contrário ?
    De preferência com o plantel desta mais os reforços SAGANOWSKI,PAQUITO,TITO 71-78 e SODERSTROM.

     
  • Às 29 setembro, 2010 14:03 , Blogger Vitor Paneira disse...

    Como foi possível esquecermo-nos daquela que, a par da insistência num meio campo com Sitta, Alves e Cleber, se revelou como das revelações mais reveladoras da incursão.

    O Pedro Barbosa vai voltar a escrever assiduamente no blog e vai marcar a sua reentrée com um boato acerca do Edmur, cientificamente por provar, relativo a rumores infundados mas de fonte segura.

    Aguardemos pois.

     
  • Às 29 setembro, 2010 14:35 , Blogger Dane disse...

    NOTÍCIA DE ÚLTIMA HORA!!!

    Substituição ao intervalo no Natal dos Hospitais 2010:

    Sai - Coro de Oeiras
    Entra - a maior revelação do ano, o Coro dos Afonsinhos

    Aprovada a acta.
    A fome que tinha não me deixa aprovar com tanta veemência o leitão mas fica prometida uma próxima apreciação complementada com uma visita a umas caves quaisquer...
    Mais que aprovada a companhia.
    Reprovado o Vitória, vamos lá ver o que fazemos na segunda fase de exames mas recomendo que se arranje alguém que abra o livro, já que aquele jogo foi um deserto de ideias.

     
  • Às 01 outubro, 2010 10:26 , Blogger Pedro Mendes disse...

    Inde chamar Tareco ao c*****!

    A acta está sublime, o que vem comprovar a minha tese de que há escribas de grande qualidade neste blogue.

    Prometo na próxima deslocação não me apresentar ao serviço de ressaca, bem como levar os adereços para o Afonsão (gostei desta!!!) e o cd com os hinos.

    Resta-me dizer que o Sr. Manuel, após breve passagem pelo Magalhães Lemos está em casa a recuperar bem!

     
  • Às 02 outubro, 2010 19:24 , Blogger Alberto disse...

    Pelo meu voto declaro:

    1) Aprovar o conteúdo da acta proposta pelo nosso secretário, a qual retrata, sem mácula, o rumo dos acontecimentos.
    2) Porém, apesar da posição assumida e manifestada no ponto anterior não posso coibir-me de tecer alguns considerandos, críticos, claro está, sobre o rumo dos tais acontecimentos.
    3) Assim, não me pareceu bem a falta da indumentária prometida e rabiscada pelo moço dos cartoons. De Marrocos abalei, com fé e confiança, que as ditas vestes iriam colorir a minha presença na viagem da cidade berço para a terra dos cábulas.
    4) Quanto à “fragonette”, embora sem a prometida musica, é certo, dizer apenas que a mesma esteve à altura das exigências. Acomodou-me bem durante os três momentos da viagem, ou seja, na “larica”, na “digestão” e na azia.
    5) Como bem assinala a acta, relevo também os ilícitos criminais perpetrados durante aquele dia. Alem das ofensas à integridade física daquele “policial” babão, cego, a correr atrás do adepto do Vitoria, realce para o “mercado negro” ou “candonguisse” cometida pelo nosso Cascavel. Imemorável a forma como ele debitava a troca daqueles talões pelo papel “aério”.
    6) Durante a parte da viagem com “larica”, não posso deixar de destacar alguns momentos que, agora vos digo, terão sido um mau pronuncio para o que veio a acontecer: Passar na rotunda da Boavista, recordar algumas das “pérolas” do nosso Vitoria, como Jefferson Feijão, Diogo ou Jean Coral, ou momentos como de Setúbal, Paços de Ferreira, ou Barcelos, naquele fatídico ano, deve ter atraído a má sorte.
    7) Essa má sorte, porem, não pensem que me refiro à nossa equipa. Isso não. Perdemos não por qualquer acaso da má sorte, mas apenas porque a nossa equipa é treinada por Manuel Machado. Ponto final.
    8) Adiante.
    9) O porco estava frio. Edmur, F…
    10) Já o espumoso caiu bem. Boa Edmur.
    11) Com aquele vai vem, rotundas para trás, rotundas para a frente, sobe e desce, até ao estádio quase perturbou a minha digestão. Ademir, para a próxima, manda-os calar. Todavia, agora percebo a intenção daqueles “GPS” andantes. Eles, afinal, não queriam era ir ver a bola, porque já sabiam que alguns dos presentes não a iriam conseguir ver, ora pela distancia onde a mesma se encontra, ora pela visão perturbada pelo espumoso.
    12) Do Estádio de Coimbra. Bem, está bom mesmo é para os U2, porque para futebol aquela gamela não serve. Vazio. Mas que novidade… E ver a bola só de binóculos, é certo. A relva, nossa, um verdadeiro campo de cebolas. Como dizem alguns, o velhinho Vidal Pinheiro era muito mais melhor bom. E não foi tão caro.
    13) O jogo. Bem, quanto ao jogo, dizer apenas que o Vitoria é treinado pelo Manuel Machado. O Manuel Machado escolheu alguns dos jogadores. O Manuel Machado (des)faz a táctica. O Manuel Machado, o Manuel Machado, aí o Manuel Machado… Sem maldade, mas apetece-me dizer: "Raios parta o homem!".
    14) Durante a parte da viagem com a azia, realce, somente, para a entrada verdadeiramente hooligan do Vitor Paneira na Estação de Serviço que colocou em alvoroço e patente temor a gorda e a quase gorda.

    Sem mais, como acima referi, subscrevo também esta exemplar acta.

    Pedro Barbosa

     
  • Às 03 outubro, 2010 02:27 , Blogger Capucho disse...

    Pedro Barbosa, olé, olé!

     
  • Às 04 outubro, 2010 16:37 , Blogger Saganowski disse...

    Mais uma vez reforço que se não fui, foi porque não pude mesmo!!!

    Relativamente à moça de Coimbra, não me recordo ter-vos dado o contacto dela, mas se calhar devia tê-lo feito. Era capaz de ter dado jeito para a azia...do leitão! Era só passarem lá na farmácia dela!

    Quanto à outra azia estou solidário convosco! Também a senti...e com muito ardor! Espero que contra o FCP as coisas corram bem melhor!

    Quanto ao porco, frio não deve ter piada nenhuma...Valha o espumante!

    Nesta acta, como membro (infelizmente) ausente, a minha declaração de voto pouco vale, mas aqui a deixo, com votos de que estas actividades se repitam mais a miúde.

    E já agora, continuo à espera de uma sandes (DE FEBRA!!!) do bicho!!!

     

Enviar um comentário

Efectuar comentários é absolutamente livre, neste blogue. Não serão, no entanto, admitidos insultos aos seus membros ou ao Vitória Sport Clube.

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

 

Locations of visitors to this page